Faltar à Santa Missa no domingo é Pecado Grave?

fotoAntes de responder a esta pergunta, vamos ler o que os santos da Igreja dizem sobre a Santa Missa:

São João Maria Vianney, o Cura d’Ars: Se conhecêssemos o valor da Santa Missa nos morreríamos de alegria”.

Santo Anselmo: “Uma só Missa oferecida e ouvida em vida com devoção, para o próprio bem, pode valer mais que mil Missas celebradas na mesma intenção, depois da morte.”

Santo Tomás de Aquino: “A celebração da Santa Missa tem tanto valor como a morte de Jesus na Cruz”.

São Francisco de Assis: “O homem deveria tremer, o mundo deveria vibrar, o Céu intero deveria comover-se profundamente quando o Filho de Deus aparece sobre o altar nas mãos do sacerdote”.

Padre Pio de Pieltrecina: “Seria mais fácil que o mundo sobreviva sem o sol do que sem a Santa Missa”.

Em todos os dias, o sacrifício é o mesmo: "é um verdadeiro e próprio sacrifício, no qual, imolando-se incruentamente, o sumo Sacerdote faz aquilo que fez uma vez sobre a cruz, oferecendo-se todo ao Pai "(Mediator Dei, nº 61).

Assim, percebemos que assistir a Santa Missa, em qualquer dia é uma devoção belíssima, pois "A celebração da Missa, como ação de Cristo e do povo de Deus hierarquicamente ordenado, é o centro de toda a vida cristã tanto para a Igreja universal como local e também para cada um dos fiéis. Pois nela se encontra tanto o ápice da ação pela qual Deus santifica o mundo em Cristo, como o do culto que os homens oferecem ao Pai, adorando-o pelo Cristo, Filho de Deus. (Instrução Geral para o Missal Romano, nº 16)."

No entanto, o Terceiro Mandamento (Guardar Domingos e Festas) nos obriga a assistir a Santa Missa Todos os Domingos.

"Cân. 1247 No domingo e nos outros dias de festa de preceito, os fiéis têm a obrigação de participar da missa;

"O primeiro mandamento da Igreja ("Participar da missa inteira nos domingos e outras festas de guarda e abster-se de ocupações de trabalho")ordena aos fiéis que santifiquem o dia em que se comemora a ressurreição do Senhor e as festas litúrgicas em honra dos mistérios do Senhor, da santíssima Virgem Maria e dos santos, em primeiro lugar participando da celebração eucarística, em que se reúne a comunidade cristã." (Catecismo da Igreja Católica §2042)

D.40.1 Celebração dominical, centro da vida da Igreja:

§2177 A celebração dominical do Dia do Senhor e da Eucaristia está no coração da vida da Igreja. "O domingo, dia em que por tradição apostólica se celebra o Mistério Pascal, deve ser guardado em toda a Igreja como a festa de preceito por excelência."

"Devem ser guardados igualmente o dia do Natal de Nosso Senhor Jesus Cristo, da Epifania, da Ascensão e do Santíssimo Corpo e Sangue de Cristo, de Santa Maria, Mãe de Deus; de sua Imaculada Conceição e Assunção, de São José, dos Santos Apóstolos Pedro e Paulo e, por fim, de Todos os Santos".

Domingo primeiro dia da semana

§1166 "Devido à tradição apostólica que tem origem no próprio dia da ressurreição de Cristo, a Igreja celebra o mistério pascal a cada oitavo dia, chamado, com razão, o Dia do Senhor ou domingo". O dia da ressurreição de Cristo é, ao mesmo tempo, "o primeiro dia da semana", memorial do primeiro dia da criação, e o "oitavo dia" em que Cristo, depois de seu "repouso" do grande sábado, inaugura o dia "que O Senhor fez", o "dia que não conhece ocaso". A Ceia do Senhor é seu centro, pois é aqui que toda a comunidade dos fiéis se encontra com o Ressuscitado, que Os convida a seu banquete: O dia do Senhor, o dia da ressurreição, o dia dos cristãos, é o nosso dia, pois foi, nesse dia, que o Senhor subiu vitorioso para junto do Pai. Se os pagãos o denominam dia do sol, também nós o confessamos de bom grado, pois, hoje, levantou-se a luz do mundo; hoje, apareceu o sol de justiça, cujos raios trazem a salvação.

§1167 O domingo é o dia, por excelência, da assembléia litúrgica em que os fiéis se reúnem para, ouvindo a Palavra de Deus e participando da Eucaristia, lembrarem-se da Paixão, Ressurreição e Glória do Senhor Jesus e darem graças a Deus que os 'regenerou para a viva esperança, pela ressurreição de Jesus Cristo de entre os mortos.

Duas perguntas são muito frequentes, sendo elas: 1. Quando faltamos a missa, podemos comungar ou é preciso confessar que faltamos à missa para voltarmos a poder comungar? 2. Às vezes há pessoas que se descuidam e chegam atrasados à Missa dominical. Cumprem o preceito?

1. Faltar à Missa aos Domingos e dias de guarda é matéria grave. Assim, se houve consciência de estar a faltar à Missa (em Domingos ou dias de guarda) e anuência livre ao erro, há pecado mortal. A pessoa deve, sim, confessar-se para poder comungar. Já em outras Missas não há pecado, nem mesmo venial.

2. Quem chega atrasado, culposamente, à Missa Dominical, se não for a outra Missa no mesmo Domingo para cumprir o preceito, não deverá aproximar-se da Eucaristia. Se chega atrasado à Missa Dominical poderá comungar nesta mesma Missa, caso satisfaça o preceito assistindo outra Missa, desta vez, inteira, no próprio Domingo. O mesmo para os dias de guarda.
Repare que falamos de atraso deliberado, por querer, sem fazer qualquer esforço por chegar a horas. Pode haver motivo sério e não atribuível à responsabilidade da pessoa que a tenha impedido de chegar mesmo a horas. Neste caso o problema não se põe.

Já a falta à Missa fora dos dias de guarda, como não é pecado, não nos afasta do Santíssimo Sacramento, e podemos, então, comungar livremente. Chegando atrasado em Missa em dia de semana, nenhum pecado há, dado que não estamos obrigados a ela e, pois, a Comunhão é perfeitamente lícita (claro que se não tivermos nenhum outro pecado mortal).